sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Spread your wings and fly, butterfly...

Ontem fui ao cantinho de uma Nô que me é muito querida.
Levei o meu filho comigo. 

Sim, venham daí esses pensamentos de que estou a obrigar ao rapaz a viver um luto que não é dele, que aquilo não são sítios para ele estar, que vai ficar traumatizado e que vive na sombra da irmã...
Quanto a mim, parece-me que estou a tentar ensiná-lo de que nem sempre corre tudo bem, de que nem sempre o mundo é como nos contos de fadas  (ou como nos PJMasks, que ele gosta mais). 
Estou a ensiná-lo que tem uma irmã mais velha que vive entre as estrelas, estou a mostrar que ele não é o único que vive essa experiência, que é algo que dói, que por vezes ele vai sim, ver a mãe a chorar, mas que é um acontecimento único, tal como tantas outras na vida, e que pode ser extremamente enriquecedor se ele souber fazer limonadas com os limões azedos que lhe vão aparecer pelo caminho.
De qualquer das formas, digo aos mais preocupados que ele não me parecia nada afectado com o ambiente à volta, antes pelo contrário, parecia que estava num jardim, corria satisfeito.

Demos com o sítio encantado da Polegarzinha de forma fácil... Ele esteve ali sentado no chão enquanto eu apanhava uma folha ou outra, só para estar ainda mais especial. 
Quando íamos dizer adeus, percebi que ele tinha umas flores pequeninas na mão, e pensei "olha, eu que nem me tinha lembrado de lhe trazer nada"... Pusemos as flores e lá foi ele a correr todo satisfeito, e mais uma vez, não me parecia nada transtornado com o que lhe rodeava. E eu sentia uma paz imensa...
Chegamos ao carro, o pus na cadeirinha, sentei-me e pus a mão para fora da janela, estava calor, e quando dou por mim... Uma borboleta. Chorei. Não foi de tristeza, estava completamente extasiada e em paz... Naquele momento criou-se uma espécie de hiato na minha mente, por segundos, só existíamos eu e aquela borboleta.. E tão linda que ela era!
Sei o que significa uma borboleta. Sei o que as borboletas significam para a mãe da Nô.
Não tive dúvidas, estava num sítio encantado.

Arrependo-me de não ter posto também a minha Nô num lugar encantado. Ao contrário do que todos pensam, ali nem sempre é um sítio de dor... De saudades eternas sim, mas nem sempre dói.
Às vezes sais dali mais leve. Às vezes sais dali em paz. Às vezes sais dali com uma borboleta nas mãos... E com a certeza de que há algo mais do que  aquilo que os nossos sentidos conseguem alcançar.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

"... Onde esperança falta, lá me esconde Amor um mal, que mata e não se vê. Que dias há que n'alma me tem posto um não sei quê, que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói não sei porquê..."

Há coisas... Há coisas que escondo. 

E nem sei se o esconder aqui é aplicável, pois o que eu faço é tirar certas coisas da vista, mas sei exactamente onde estão.


Morreu um menino na semana passada, com cancro... O enterro foi hoje, e foi a primeira vez que voltei a ver um caixãozinho branco, depois de, pelo menos, um ano. 
Aquela foto, da tua urna, está escondida. Sei exactamente onde ela está, mas não me atrevo a vê-la.
Pois ela consegue provocar em mim sentimentos tão diferentes uns dos outros que às vezes sinto que a única maneira de demonstrá-los é a arrebentar numa explosão de gritos, choro e risos!
Torna-te real. Estavas ali dentro. Às vezes penso, se eu tivesse ido ao teu funeral... A tua urna não ia ali, não sei se me iam conseguir separar daquele objecto, daquilo que carregou-te quando já não podias estar dentro de mim.



Não sei o que foi feito ao pouco que sobrou de ti, e isso corrói-me por dentro...
Existem tantas coisas que eu teria feito de maneira diferente se soubesse o que viria depois, Nô...
Hoje não está a ser um dia fixe... Longe, muito longe disso.



Beijinho da mãe, Pipocas...
Daqui até ao céu! ❤️

segunda-feira, 27 de março de 2017

Três



Hoje tentei desviar a minha atenção... Fiz a âncora diversas vezes e em algumas resultou, outras, nem por isso.
Para completar o cenário tive uma paragem de disgestão e só a bocado é que deixei de vomitar. 
Dói-me o corpo. Dói-me a alma. Não existe uma parte de mim que não doa. 
Tudo clama pela tua presença. Todo o meu corpo pede que seja devolvida a metade que me foi roubada.
Três anos... Como assim passaram três anos? Hoje ouvi o teu coração pela última vez. Há três anos a minha vida entrou num silêncio, onde falta o teu sorriso, o teu choro, as tuas brincadeiras, as tuas alegrias, que também seriam nossas. 
Daqui há 4 dias fazem três anos que partiste... E porque continua a doer tanto? Porque as saudades me assomam ao peito desta maneira tão avassaladora e cruel? 
Só te queria aqui. Comigo, com o mano e com o pai. 
A minha cabeça sabe que não pode ser, racionalmente, tenho tudo arrumado. 
Mas o coração não. O coração acorda todos os dias com a mesma sensação do dia 01/04/2014, quando nasceste... Todos os dias acordo a pedir a Deus que seja mentira. Que um dia voltas. Eu sei que não é, mas não sei se alguma mãe é capaz de aceitar a perda de um filho com o coração... Nós aprendemos a viver, com a saudade, com a ausência, mas aceitar... Acho que nenhuma mãe aceita. 
Hoje fazem três anos que ouvi o teu coração pela última vez.

Beijinho da mãe, Pipocas... 
Daqui até ao céu!... 🌠

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Dia Dos Amigos


Aprendi, principalmente depois da partida da Nô, do nascimento do Kiko, da depressão e da fibromialgia, que existem vários tipos de amigos... 
Existem os amigos que estão sempre lá, desde a morte da tua filha até as tuas queixas constantes em relação a dores no corpo, que te sentes uma inválida por não conseguir fazer nada. 
Existem os amigos que se mantiveram presentes nos bastidores de tudo... Talvez por não saber o que fazer ou dizer. 
Existem amigos desde o tempo do liceu, que são uma espécie de "tesouro" nosso... Tantos anos se passaram, as nossas vidas mudaram, mas quando os reencontramos, somos as mesmas miúdas que almoçavam juntas e que refilavam das próximas duas horas de Matemática que iam ter.
Existem amigos que foi a dor que nos uniu... Percebem o que sentes, os teus sentimentos mais sombrios, porque também elas passaram pelo mesmo processo de perda que tu. 
Existem os amigos dos copos, que são tão amigos quantos os outros... São os amigos da rambóia! 
Existem amigos que surgiram há pouco tempo na tua vida, mas parece que conhecemos desde sempre... Pena é haver um oceano que nos separa.
Existem os amigos da infância, que conheces há mais de 20 anos... Mas tens o mesmo oceano a vos separar. 

Depois, é saber separar a quem recorrer, consoante a situação que estamos a passar... Única e exclusivamente para não haver decepções e amizades partidas. 
Ninguém é igual. Ninguém está preparado para lidar com todas as situações que nos aparecem no caminho. Isso é também ser amigo... Dar espaço, saber o momento certo de procurar, deixar viver, deixar saber aprender... 

Dito isto, Feliz Dia Dos Amigos! ❤️